Colírios para conjuntivite em cães

Eis que, de repente, os olhos brilhantes do seu cãozinho surgem avermelhados e lacrimejantes. É possível que o problema seja uma conjuntivite em cães, mas qual colírio usar? Só o colírio é suficiente para tratar a inflamação? Como devo aplicar o produto?

cachorro de perfil

Conversamos com a Dra. Mayara de Souza, médica-veterinária, para responder a essas e a outras perguntas sobre o uso de colírio para esse problema. Confira a seguir as recomendações de como tratar conjuntivite em cachorro!

O que é conjuntivite canina?

Em medicina, o sufixo “ite” refere-se à inflamação de um órgão ou estrutura. No caso dessa doença, sua caracterização é a inflamação da conjuntiva, isto é, da mucosa que reveste o olho dos cães. Sendo assim, o cachorro com conjuntivite pode apresentar olhos avermelhados, lacrimejamento, dor e inchaço no local, entre outros sintomas.

Diversas causas podem estar por trás da conjuntivite. Algumas das mais comuns são: infecção bacteriana, presença de corpo estranho no local, ressecamento ocular ou traumas na região dos olhos. Certas doenças, como a cinomose, também podem ter a conjuntivite como problema secundário, uma vez que enfraquecem a imunidade do pet.

O tratamento da conjuntivite sempre depende do uso de colírio?

Assim como no tratamento da conjuntivite em humanos, o colírio para conjuntivite canina é uma importante ferramenta no combate ao problema. No entanto, ele não necessariamente é o único recurso terapêutico.

“É preciso realizar a limpeza da região ocular, pode-se fazer uso de pomadas oftálmicas e, em alguns casos, quando há uma doença de origem, são necessárias medicações orais e sistêmicas”, destaca Mayara. Ou seja, o tratamento adequado vai depender da prescrição do veterinário, de acordo com as particularidades de cada caso.

Qual é o melhor colírio para cães?

É fácil constatar que há mais de um tipo de colírio para cães com conjuntivite com diferentes princípios ativos. A escolha do melhor produto vai depender da avaliação do veterinário, levando em conta a causa e o grau da inflamação.

A seguir, a Dra. Mayara explica quais são as diferenças entre três dos colírios para cachorro mais comuns presentes nos pet shops:

  • Ciprovet®: “Além de ser um antibiótico de amplo espectro, isto é, que acomete uma grande quantidade de bactérias, ele também possui em sua fórmula o sulfato de condroitina A, que auxilia na rápida cicatrização e melhora da córnea”;
  • Tobrasyn®: “É indicado para tratamento de infecções oculares causadas por micro-organismos que são sensíveis à tobramicina”;
  • Carboximetilcelulose: “É indicado para o tratamento da síndrome do olho seco, atuando como um lubrificante ocular. Ele auxilia em casos de irritação ou secura ocular”.

Nunca medique seu amigo de quatro patas sem consentimento veterinário. Além do risco de superdosagem, o uso incorreto de antibióticos, por exemplo, pode levar à proliferação de bactérias mais resistentes, dificultando o tratamento. Portanto, em caso de dúvidas de conjuntivite em cães e qual colírio usar, consulte o especialista.

olho de cachorro

Como pingar colírio nos olhos do cachorro?

Além da escolha do medicamento e do colírio de conjuntivite canina apropriado, a prescrição veterinária é fundamental para acertar na dosagem e frequência de aplicações.

Para pingar o colírio nos olhos do cachorro com mais facilidade, a primeira dica de Mayara é escolher um momento em que o cãozinho esteja tranquilo. Se necessário, peça ajuda para outra pessoa e procure brincar e fazer carinho no pet para acalmá-lo e tornar o momento agradável.

Lave bem as mãos com sabonete e água antes de manusear o produto para evitar contaminações. Durante a aplicação, fique atento para não encostar a ponta do gotejador no olho do cachorro. Após pingar a quantidade recomendada de gotas, verifique se o medicamento foi mesmo para os olhos do pet ou se caiu para fora.

Pode usar colírio humano em cachorros?

De acordo com a Dra. Mayara de Souza, em geral é mais indicado optar por medicações veterinárias, uma vez que sua tecnologia e composição foram testadas e comprovadas para uso na espécie, oferecendo menos riscos.

“Porém, em casos específicos o veterinário pode, sim, prescrever medicamentos de uso humano”, diz. Afinal, o princípio ativo de combate ao problema muitas vezes é o mesmo no tratamento das duas espécies. Seja como for, consulte um veterinário e siga direitinho as orientações!

Quais são os riscos do uso indiscriminado de colírio em cães?

A escolha do colírio para cachorro depende da causa do problema, sendo que o uso equivocado traz diversos riscos para a saúde do pet. “Alguns medicamentos, tanto humanos quanto veterinários, não são indicados para determinadas patologias.

Como exemplo, o uso de colírios com corticoide na composição acarreta sérios danos à visão de um cachorro que esteja sofrendo com a úlcera de córnea”, alerta a especialista.

Ainda segundo Mayara, outro problema grave é o uso de antibióticos sem a devida prescrição veterinária. “Ele ocasiona uma possível resistência microbiana no cachorro”, completa.